Prefeitura do Rio VS Malala Yousafzay

Após duas reportagens impactantes no universo da educação nesta semana, não poderia deixar de compartilhar meu adendo sobre essas notícias que demonstram caminhos opostos nos quais nossas escolas podem estar para trilhar.

A primeira é a da abominável propaganda da prefeitura do Rio de Janeiro publicada no jornal O Globo no último domingo, dia 7, que mostra crianças em uma esteira de um processo fabril com a seguinte descrição: “Nossa linha de produção é simples. Construímos escolas, formamos cidadãos e criamos futuro. Fábrica de Escolas do Amanhã. Mais educação para o Rio de Janeiro”.

A segunda notícia é a da premiação do Nobel da Paz para Kailash Satyarthi e Malala Yousafzay nessa quarta, dia 10. O indiano Satyarthi lutou contra o trabalho escravo infantil. Já Malala, de apenas 17 anos – a pessoa mais jovem ganhadora do prêmio Nobel –, que, por meio de pseudônimo, retratou a realidade da ocupação Taliban no Paquistão aos seus 11 e 12 anos. Hoje, ela milita pelos direitos das mulheres à educação, proibida pelo movimento Taliban.

Malala sofreu um atentado em 2012, um tiro que a manteve em estado grave. No entanto, ela sobreviveu e, em seu discurso na ONU, um ano após o ataque, falou: “Os extremistas têm medo dos livros e das canetas. O poder da educação os assusta e eles têm medo das mulheres. O poder da voz das mulheres os apavora”.

Queremos, assim, uma educação como a proposta pela prefeitura do Rio: mecânica, que estimula a padronização e não a diversidade e a criatividade individual? Vejo, como Malala, a educação como um meio libertador, contrário a todas as formas de opressão. E acredito que o Política na Escola está aí para propor uma educação que dê voz às diversidades identitárias que são caladas por estruturas obsoletas de ensino que assolam escolas do mundo inteiro.

Pedro Caio

Pequenos Sonhadores

Sonhar… o que isso significa? Somente aquilo que desejamos para o futuro? Mais que isso, o sonho é uma meta, e sem ele estaríamos perdidos. E quem são os melhores exemplos de sonhadores? Respondo sem hesitar que são as crianças que, em sua ingenuidade e inocência, conseguir enxergar muito além disso e ver a beleza que existe em acreditar em si mesmo e naquilo que sonha. E o papel dos ‘crescidos’? Encorajá-las. Já dizia Shakespeare: “Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.”

Fernanda Souza

Educação Ambiental

Um dos temas fundamentais nos dias de hoje, é a questão ambiental, em uma época em que predomina a tecnologia, precisamos mais da educação ambiental. Para começar a falar desse assunto selecionei um vídeo, na próxima vez farei uma abordagem mais aprofundada do assunto.

Dyanna Leão.